Você está aqui: Página Inicial > Modais > Infraestrutura Aquaviária > Hidrovias > Hidrovia do Parnaíba > Hidrovia do Parnaíba

Hidrovia do Parnaíba

por Andre Alberti publicado 29/06/2016 15h58, última modificação 20/07/2016 17h07

Na divisa entre Piauí e Tocantins, nasce o Riacho de Água Quente. Ele se torna Rio Parnaíba quando se encontra com o Rio Uruçuí Vermelho. Suas águas correm do Sul para o Norte, e dividem o Piauí do Maranhão. O período de águas baixas se estende de Agosto a Dezembro, e o de águas altas, de Janeiro a Julho.

O curso do rio está dividido em três trechos. O Alto Parnaíba vai desde as nascentes até a foz do Rio Gurgueia. Com 784 quilômetros de extensão, é onde se localiza a barragem de Boa Esperança. O Médio Parnaíba tem 312 quilômetros de extensão, do Rio Gurgueia até o Rio Poti. O Baixo Parnaíba tem 389 quilômetros entre os rios Poti e São Francisco.

Os principais portos ao longo da hidrovia são: Alto Parnaíba, Tasso Fragoso, Barão de Grajaú, São Francisco do Maranhão, Parnarama, Timon, Araioses, Água Doce e Tutóia, no Maranhão; e Santa Filomena, Ribeiro Gonçalves, Uruçuí, Floriano, Amarante, Palmeirais, Teresina, União, Luzilândia, Parnaíba, Ilha Grande, Luís Correia e Santa Filomena, no Piauí.

 Navegação

O Governo Federal visa consolidar a navegação longitudinal e transversal na hidrovia, para ter mais uma opção de rota de escoamento de cargas e produtos em geral. O transporte fluvial na região pode reduzir significativamente o custo do frete, além de todas as vantagens ambientais deste modal.

As áreas do nordeste e sudeste do Maranhão, o sudoeste do Piauí, o noroeste da Bahia e o nordeste de Tocantins têm se mostrado grandes centros produtores agrícolas. A principal cultura da região é a cana-de açúcar, seguida por soja, milho e algodão herbáceo. O comboio-tipo previsto para a hidrovia tem dimensões totais de 155 metros de comprimento, 11 metros de boca e 2 metros de calado.

Embarcações de pequeno e médio porte, com capacidade de até 12 toneladas, também carregam arroz, feijão, babaçu, carnaúba, mandioca, pescados e o que mais é preciso para abastecer as comunidades ribeirinhas, além de servir ao transporte de passageiros.