Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Asfalto começa a ser aplicado na BR-316, entre Canapi e Carié, em Alagoas

Notícias

Asfalto começa a ser aplicado na BR-316, entre Canapi e Carié, em Alagoas

por publicado: 06/10/2017 14h51 última modificação: 06/10/2017 15h26

A obra da BR-316/AL segue a todo vapor. Aproximadamente 5,0 km, dos 12 km do lote 2 da rodovia federal, já estão asfaltados. Este trecho começa na cidade de Canapi e finaliza no distrito de Carié, na intersecção com a BR-423/AL. Com a conclusão do empreendimento do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a população ganhará mais mobilidade, especialmente na região do sertão do noroeste alagoano.

 A aplicação do asfalto começou em meados de setembro e a previsão é que seja concluída até o fim de novembro, a depender de imprevistos, como as condições climáticas. Após este serviço, o consórcio responsável pela execução da obra começará a implantação das sinalizações vertical e horizontal e drenagens superficiais, a exemplo de meio-fio e sarjetas.

A finalização da aplicação do asfalto dentro do período previsto também depende da população. O engenheiro de campo, Pedro Lopes, chama atenção para o respeito às sinalizações provisórias. “Os locais isolados não devem ser trafegados. O uso das pistas recém asfaltadas danifica a impermeabilização e atrasa a conclusão da pavimentação. Portando, os motoristas devem aguardar a liberação do trecho, que só será feita pela nossa equipe após a devida secagem do material aplicado”, ressalta.

A população está satisfeita com o andamento das obras. Para o jovem canapiense, Lucas Ítalo, 20 anos, a conclusão da rodovia é a esperança do desenvolvimento socioeconômico da região. “Teremos um movimento maior no comércio, além da segurança e rapidez ao transitar pela estrada”, declara Lucas, que utiliza a BR-316/AL todos os dias para chegar no trabalho.

O DNIT também trabalha na implantação e pavimentação dos 35 km do Lote 1 da BR-316/AL, que começa na divisa com o Estado do Pernambuco, na ponte sobre o rio Moxotó, e atravessa o município de Mata Grande até chegar na cidade de Canapi. Neste trecho, estão sendo executados os serviços de terraplanagem, implantação de bueiros e execução de sub-base e base.

Animais silvestres são monitorados na BR-316/AL

Paralelamente às obras de implantação e pavimentação da BR-316/AL, o DNIT realiza, por meio da Gestão Ambiental da BR-316/AL, executada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), o monitoramento dos animais silvestres que trafegam próximo da rodovia, em obra nos lotes 1 e 2, que cortam os municípios alagoanos de Mata Grande e Canapi.

Durante dez dias do mês de setembro, como parte da 4ª campanha do Subprograma de Monitoramento de Passagem de Fauna, foram implantadas armadilhas fotográficas nos trechos que totalizam 47,76 km. O objetivo foi observar se as pontes e bueiros construídos na rodovia estão cumprindo com o papel secundário de transposição segura dos animais silvestres.

As modernas câmeras instaladas têm sensores de movimento e de infravermelho – recurso que possibilita a captação da imagem durante à noite. Este tipo de monitoramento, que é complementar e oferece dados precisos da rotina dos bichos, soma forças a outras duas metodologias chamadas de ‘busca ativa’ (procura visual de vestígios, como pegadas, pêlos, fezes e outros) e de ‘parcela de areia’ (levantamento feito em locais onde os animais trafegam e registram suas pegadas no chão).

“Se os animais utilizam as galerias, eles não ficam suscetíveis ao atropelamento. Por isso a importância de acompanhar se os bueiros e pontes estão sendo utilizados pelos bichos para que, juntamente com dados de atropelamento de fauna, seja diagnosticada a necessidade da criação de novas passagens”, ressalta o biólogo Igor Andrade, que integra a equipe da Gestão Ambiental.

Recentemente, um cachorro-do-mato (Cerdocyon thous), provavelmente em busca de alimento, foi flagrado pelas câmeras do monitoramento. Por ser um bicho comum na região, ele foi escolhido para ser o mascote das obras. Em campanhas anteriores, a equipe também já encontrou outras espécies, como guaxinim (Procyon cancrivorus), gato-do-mato (Leopardus tigrinus), jararaca-da-seca (Bothrops erythromelas) e Teiú (Salvator merianae).

A obra da BR-316/AL é executada com o acompanhamento da Gestão Ambiental da BR-316/AL, seguindo, assim, os preceitos da Política Ambiental do Ministério dos Transportes e do Termo de Cooperação, firmado com o DNIT, além de ser uma medida de compensação exigida pelo licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

06/10/2017

 Assessoria de Comunicação Social DNIT - Gestão Ambiental da BR-316/AL