Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Debates sobre Gerência de Pavimentos, Manutenção Rodoviária e Orçamento de Engenharia encerram 3º Semana do Planejamento

Notícias

Debates sobre Gerência de Pavimentos, Manutenção Rodoviária e Orçamento de Engenharia encerram 3º Semana do Planejamento

INSTITUCIONAL

Evento divulgou, nos últimos três dias, novas tecnologias na área da engenharia de infraestrutura de transportes
por publicado: 13/06/2019 19h23 última modificação: 13/06/2019 19h25

O primeiro painel da tarde desta quinta-feira (13), moderado por Diego Almeida, coordenador geral de desenvolvimento de projetos do DNIT, reuniu especialistas em Gerência de Pavimentos. Diego falou sobre a importância do assunto, que permeia por todas as etapas do empreendimento rodoviário: planejamento, projeto, construção, manutenção e pesquisa.


A sessão técnica começou com Francisco Evangelista Júnior, professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília (UnB). Evangelista destacou a importância do diferencial térmico e da distribuição de temperaturas na análise de tensões em placas de concreto de pavimentação. De acordo com o professor, a temperatura deve sempre ser considerada na análise de tensões em pavimentos rígidos, a base de dados regional e sazonal é fundamental e a distribuição de temperatura na espessura da placa deve ser tratada como uma variável aleatória.


O tema “Aplicação de Novas Tecnologias no Sistema de Gerência de Pavimentos Internacional” foi apresentado por Fernando Sánchez Domínguez, Gerente Geral do Grupo EUROCONSULT na América do Sul, que mostrou as funcionalidades do sistema de gestão de pavimentos PMS da EUROCONSULT.


Laura Motta, professora titular da COOPE/RJ, mostrou aos participantes o método de dimensionamento mecanístico – empírico, o MeDiNa. Laura explicou que este novo método significa colocar na mesma base teórica o dimensionamento de pavimentos novos e os projetos de reforço. A professora mostrou também o pavimento como sistema em camadas, os danos, os critérios de seleção de materiais, as misturas asfálticas e as curvas de fadiga. O uso do método mecanístico - empírico permite aproveitar melhor os materiais disponíveis para a pavimentação, reduzir os custos para implantação de pavimento durável, verificar que as misturas asfálticas não são iguais e obter um projeto de reforço com diagnóstico da condição estrutural das várias camadas. Para mais informações sobre o MeDiNa, acesse ipr.dnit.gov.br.


Manutenção Rodoviária – O segundo painel da tarde abordou o tema manutenção rodoviária. Carlos Alberto Abramidis, analista em infraestrutura de transportes na coordenação-geral de Programação e Investimentos, da Diretoria de Planejamento e Pesquisa (DPP) do DNIT, ficou responsável por mediar a palestra.


O diretor da DPP, Luiz Guilherme de Mello, falou sobre recentes investimentos em manutenção rodoviária. “Manutenção rodoviária é algo complexo mas, ao mesmo tempo, apaixonante”, afirmou Luiz Guilherme de Mello. “Fiz hoje uma apresentação mais ilustrativa do que técnica. É mais um alerta do que, de fato, algo tecnológico. Serviu para mostrar o que estamos propondo para melhorarmos a manutenção rodoviária brasileira”, finalizou o diretor da DPP.


Representantes do DNIT, Ivone Hoffman e Augusto Ayube apresentaram, respectivamente, palestras sobre ferramentas de planejamento da manutenção rodoviária e planejamento da manutenção rodoviária, no âmbito da Superintendência Regional.

 

Orçamento de Engenharia – Para encerrar os painéis da 3ª Semana de Planejamento, especialistas do DNIT falaram sobre temas relacionados a orçamento de engenharia. O moderador do encontro foi o coordenador-geral de Custos de Infraestrutura de Transportes da autarquia, o engenheiro Luiz Heleno.


O primeiro assunto do painel, abordado pelo analista de infraestrutura Pedro Bastos, foi a contratação da engenharia consultiva no âmbito da manutenção rodoviária. O engenheiro civil explicou como funcionava o antigo modelo de supervisão do DNIT e mostrou como é o novo – que já apresenta bons resultados dentro da área.


O coordenador-Geral de Obras Aquaviárias do DNIT, Rodrigo Português, palestrou sobre o orçamento do Pedral de Lourenço. Ele explicou a necessidade da dragagem dos portos e a importância desses serviços. “A navegação hoje transporta mais de 95% do que é consumido mundialmente, então os navios aumentam cada vez mais, tanto a profundidade quanto a largura”, disse.


A última palestra do dia foi feita pelo coordenador-geral de Custos de Infraestrutura do DNIT, Paulo Moreira, que apresentou a estrutura da coordenação e ilustrou como são realizados os trabalhos. “A coordenação presta serviço para o público interno e externo”, explicou.

 

Coordenação de Comunicação Social - DNIT