Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Diálogos Hidroviáveis: DNIT debate importância de hidrovias para turismo e agronegócio

Notícias

Diálogos Hidroviáveis: DNIT debate importância de hidrovias para turismo e agronegócio

INSTITUCIONAL

Painel apresentou contexto do Derrocamento do Pedral do Lourenço e da Dragagem do rio Madeira
por publicado: 05/11/2019 14h05 última modificação: 05/11/2019 14h05

O Contexto Atual do Derrocamento do Pedral do Lourenço e da Dragagem do Rio Madeira, e seu Impacto para o Mato Grosso - esse foi o tema do painel apresentado pelo DNIT nesta edição dos “Diálogos Hidroviáveis”, realizado de 31/10 a 1º de novembro, em Cuiabá/MT. O evento teve como objetivo discutir a importância das hidrovias para o agronegócio e o turismo na região.

Em sua exposição, o Coordenador-Geral de Obras Aquaviárias do DNIT, Rodrigo Português, apontou as hidrovias como corredores logísticos fundamentais para o escoamento da produção agropecuária do Centro-Oeste e de Rondônia. Conforme destacou, a operacionalização destes corredores impacta diretamente na redução do custo do frete da safra em direção aos portos para exportação.

O Coordenador de Operações Aquaviárias do DNIT, Eliezé Bulhões de Carvalho,  também participou dos “Diálogos Hidroviáveis”, como debatedor, no painel “O Desenvolvimento do Turismo Associado à Navegação no Estado de Mato Grosso”.

Os Diálogos Hidroviáveis consistem em um Programa de Integração Permanente de Iniciativas para o Desenvolvimento Sustentável da Navegação e das Hidrovias Brasileiras.

Diálogos hidroviáveis.jpg

 

Pedral do Lourenço

 

O Pedral do Lourenço é uma formação rochosa situada no rio Tocantins, que aflora durante os meses de estiagem e impede a navegação neste trecho situado no sudeste paraense. Para garantir a navegação durante todos os meses do ano, são necessárias obras pontuais de dragagem, que é a retirada de material solto no fundo do rio,  e de derrocagem, que é a escavação das pedras, aumentando a profundidade. De uma margem à outra, o Tocantins tem, em média,  cerca de um quilômetro de largura (1.000 metros). O objetivo das obras é criar um canal de navegação de cerca de 100 metros de largura (foto) no trecho do Pedral.

            Coordenação de Comunicação Social - DNIT