Você está aqui: Página Inicial > Notícias > No Dia da Árvore, DNIT se destaca pelo resgate de flora nas obras de infraestrutura

Notícias

No Dia da Árvore, DNIT se destaca pelo resgate de flora nas obras de infraestrutura

DNIT monitora comportamento da fauna e flora em obra da BR-116/392
por publicado: 21/09/2017 17h40 última modificação: 21/09/2017 18h44

A remoção, transporte e replantio de espécies vegetais para a viabilização dos empreendimentos de infraestrutura de transporte é atividade significativa para a preservação da flora nativa da região.

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT conta com uma equipe de Gestão Ambiental no Rio Grande do Sul, nas regiões que abrangem as cidades de Pelotas e Rio Grande, responsável pelo monitoramento do comportamento da fauna e flora em decorrência da duplicação da BR-116/392, rodovia que está completamente inserida no Bioma Pampa –conhecido como “Campos do Sul”.

O Pampa no Brasil está restrito ao estado do Rio Grande do Sul, onde ocupa uma área de 63% do território estadual e 2,07% do território brasileiro. Entre as espécies de flora mais comuns estão a assobiadeira (Schinus polygamus), o chá-de-bugre (Casearia sylvestris) e salseiro (Salix humboldtiana).

Na mata ciliar do Arroio Pelotas a flora arbórea é diversificada pois apresenta espécies como as corticeiras-do-banhado (Erythrina cristagalli) e figueiras (Ficus spp.). Outras paisagens comuns são os campos, as matas de restinga e as áreas úmidas. São frequentes nestes locais os maricazais (compostos pela espécie Mimosa bimucronata), com gravatás e vegetação herbácea.

Neste cenário, algumas árvores precisaram dar lugar para a construção da nova pista e foram assim realocadas. Os transplantes de árvores são importantes por preservarem indivíduos que necessitam ser removidos da rodovia para ceder espaço às obras de duplicação, resgatando-se assim uma parcela da biodiversidade local e promovendo a preservação e perpetuação de espécies com grande interesse ambiental.

Na BR-392, em Rio Grande, o manejo de árvores e epífitas de parte de uma Mata Paludosa, chamada também por Floresta Higrófila, formou um corredor de vegetação, registrando-se a marca de 97% de sucesso.

 

21/09/2017

Coordenação de Comunicação Social/DNIT