Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Obra no km 79 da BR-259 no Espírito Santo mostra sua eficiência

Notícias

Obra no km 79 da BR-259 no Espírito Santo mostra sua eficiência

INFRAESTRUTURA RODOVIÁRIA

por publicado: 10/01/2019 14h57 última modificação: 10/01/2019 14h57

Dezembro é um mês marcado pela grande incidência de chuvas e, usualmente, quebra recordes de pluviometria acumulada no Espírito Santo. Com isso, alguns eventos tornam-se mais comuns, como a queda de blocos de rochas de encostas rochosas. Foi o que aconteceu no Km 79 da BR-259/ES, entre Colatina e Itapina, no Espírito Santo, no último mês de 2018. No entanto, o evento natural não se transformou em perigo aos usuários da rodovia, resultado positivo da Obra de Arte Especial (OAE) de contenção realizada pela Superintendência Regional do DNIT, finalizada em novembro do mesmo ano.

Com as chuvas, blocos de rochas rolaram de uma parte da encosta, mas pararam no muro de contenção construído no local. “Isso mostra a eficiência da obra, já que as estruturas previstas estão funcionando como deveriam. O muro interceptou o bloco e ainda, não sofreu nenhum dano”, destacou o engenheiro Renato Prandina, fiscal do contrato e Chefe do Serviço de Manutenção.

Prandina informou ainda que a OAE será incluída no plano de manutenção rotineira (P.A.T.O.) da BR-259/ES para que sejam realizados serviços de limpeza de dispositivos de drenagem, corte da vegetação e retirada materiais que não devem se acumular nos muros de contenção, o que prolongará a vida útil da obra e continuará evitando que acidentes naturais típicos de encostas se transformem em perigo aos usuários da rodovia.

O Superintendente Romeu Scheibe ressalta que a Superintendência Regional do DNIT no Estado do Espírito Santo está desenvolvendo um programa de monitoramento de encostas para todas as rodovias do estado, através da Supervisora das Obras de Manutenção, para que todos os pontos críticos possam ser identificados e devidamente tratados.

O acidente e a obra

As obras foram realizadas em caráter emergencial, após a ruptura da encosta do maciço rochoso deste trecho, que provocou o deslizamento de mais de três mil toneladas de pedras sobre a pista e a consequente interdição total do trânsito em uma das principais rodovias federais do estado. O acidente natural aconteceu no dia 06 de fevereiro e no dia 27 do mesmo mês as obras já haviam sido iniciadas com cerca de R$ 7,2 milhões investidos para deixar o local em perfeitas condições de tráfego e segurança.

10/01/2019

ASCOM/DNIT